Agência Europeia de Medicamentos garante transparência em tratamentos e vacinas

5 de Outubro 2020

A Agência Europeia de Medicamentos reafirmou hoje que manterá o seu compromisso de “longa data”, relativamente à independência e transparência na avaliação dos tratamentos e vacinas para a covid-19.

Através de uma carta aberta enviada à Provedora de Justiça Europeia, Emily O’Reilly, em resposta a um inquérito sobre o papel da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) durante a pandemia covid-19, a entidade explicou que está a aplicar, para os especialistas que lidam com tratamentos e vacinas para esta doença, os mesmos critérios de independência que aplica aos especialistas que lidam com a avaliação de todos os outros medicamentos.

Essas medidas, já testadas, garantem que as recomendações da EMA sejam orientadas apenas por bases científicas e focadas na saúde pública, e não por quaisquer outros interesses, segundo um comunicado divulgado hoje pela Autoridade Nacional de Medicamento (Infarmed).

A carta também define os planos de transparência da Agência para os tratamentos e vacinas covid-19, refere o Infarmed, adiantando que a EMA publicará os dados clínicos que sustentam as suas recomendações para todos os medicamentos para o vírus SARS-Cov-2.

Estas medidas enquadram-se no propósito da política de referência da EMA, sobre publicação proativa de dados clínicos, que a agência restabeleceu exclusivamente para medicamentos covid-19, após suspensão em agosto de 2018, para permitir que a Agência concentrasse os seus recursos na sua realocação do Reino Unido para os Países Baixos.

Uma vez que a EMA considera a máxima transparência como uma condição prévia para fomentar a confiança no sistema regulador da UE, está também a considerar uma série de medidas adicionais, para fornecer ao público informações imediatas sobre o desenvolvimento e processos de monitorização da segurança, adianta o Infarmed.

Isso inclui, por exemplo, a publicação da informação dos medicamentos, com detalhes das condições de uso, antes mesmo da sua autorização formal de comercialização ser concedida, assim como, a rápida publicação do Relatório de Avaliação Pública Europeia completo (EPAR, na sigla em inglês) e a publicação do plano de gestão de risco para os medicamentos autorizados para a covid-19 na sua totalidade, em vez de apenas um resumo.

A escalada da crise de saúde pública promovida pela pandemia de covid-19 levou a esforços sem precedentes por todos os envolvidos no desenvolvimento de medicamentos para tratar e prevenir a doença, comprimindo um processo que normalmente requer vários anos, num que dura apenas alguns meses.

A EMA e as autoridades nacionais competentes, como o Infarmed, responderam a estes desafios mobilizando plenamente os seus recursos de forma a agilizar os seus processos de aconselhamento e avaliação, mantendo os seus padrões de segurança e eficácia e aplicando regras comprovadas de independência e transparência.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e trinta mil mortos e mais de 34,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.005 pessoas dos 79.151 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights