Cerca de 600 vacinas inutilizadas no Tâmega e Sousa por refrigeração “inadequada”

27 de Janeiro 2021

Cerca de 600 vacinas contra a covid-19 ficaram inutilizadas devido a uma "utilização inadequada dos sistemas de refrigeração da farmácia do hospital", disse hoje o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), que avalia apresentar um processo-crime.

Num esclarecimento enviado à agência Lusa, o CHTS, que inclui os hospitais de Penafiel e Amarante, indica que o conselho de administração “ordenou de imediato a abertura de um processo de inquérito, para apuramento detalhado do sucedido e das respetivas responsabilidades”.

O hospital deu indicações para reforçar a vigilância às vacinas e revelou estar “em avaliação a apresentação de participação por eventual processo crime”.

Segundo a fonte, o problema ocorreu com 113 frascos (cada um daria para cinco ou seis vacinas) que tinham chegado na segunda-feira ao hospital e deviam ter sido administradas na terça-feira.

O CHTS sediado em Penafiel informa “que, assim que teve conhecimento do problema”, na manhã de terça-feira, realizou diversas diligências de forma a que sejam repostas rapidamente as vacinas inutilizadas”.

“As vacinas devem chegar já na quinta-feira, procedendo-se à vacinação imediata dos profissionais, entre amanhã e sábado”, assegura o CHTS.

O hospital indica, por outro lado que, “atendendo à sensibilidade que esta questão comporta e à sua relevância social, foram ainda determinadas medidas reforçadas de vigilância permanente no local, sempre que existam vacinas para ser administradas”.

A mesma fonte diz ser de “lamentar profundamente, uma vez que, quer no CHTS quer em toda a rede do SNS, são fornecidas instruções de trabalho específicas para o seu manuseamento”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Montenegro: “Concordo com a necessidade de valorizar a carreira dos bombeiros e estamos a trabalhar nisso”

Hoje, no debate sobre o estado da nação, o primeiro-ministro respondeu a Inês Sousa Real que concorda que é necessário valorizar a carreira dos bombeiros, mas o Governo está “a trabalhar nisso”, e garantiu que não está desatento à violência doméstica, tendo já avançado com um despacho para a criação de um grupo de trabalho “transversal” no âmbito do apoio à vítima.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights