Marcelo adverte que tudo se decide até março

28 de Janeiro 2021

O Presidente da República advertiu hoje que no combate à covid-19 em Portugal tudo se decide nas próximas semanas até março e criticou a insensibilidade e negação perante o "sufoco nos cuidados intensivos".

Numa declaração ao país, a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu-se aos portugueses declarando: “Vou ser breve e claro. Vivemos o período, de longe, mais difícil da pandemia, que dura há quase onze meses. Temos dos mais elevados números da Europa”.

“A variante inglesa do vírus surgiu e propagou-se vertiginosamente, abarcando mais de 50% dos casos em áreas como a Grande Lisboa. A pressão sobre as estruturas da saúde, sobretudo nessa Grande Lisboa, é extrema”, descreveu, defendendo que “é preciso agir depressa e drasticamente”.

O chefe de Estado referiu que “o número de mortes cresce a ritmo, há meses, inimaginável”, observando: “E com ele cresce a perigosa insensibilidade à vida e à morte, mesmo de familiares, amigos, vizinhos, companheiros de tantos lances da vida. Com essa insensibilidade crescem ainda a negação do vírus, da sua gravidade, a negação da necessidade do estado de emergência e até do confinamento”.

“Mas nada disso, nenhuma dessas negações resolve a multiplicação dos mortos, as esperas infindáveis por internamentos, o sufoco nos cuidados intensivos, o sofrimento de doentes covid e não covid”, criticou.

Marcelo Rebelo de Sousa reforçou que a situação que Portugal vive “é mesmo a pior” desde o início desta pandemia e que “não vale a pena esconder a realidade, fazer de conta, iludir”.

“O que fizermos todos, poderes públicos solidários e portugueses, até março, inclusive, determinará o que vão ser a primavera, o verão e, quem sabe, se o outono. E joga-se tudo nestas próximas semanas, até março, inclusive”, defendeu.

No final desta declaração, em que comunicou a renovação do estado de emergência até 14 de fevereiro, interrogou: “Portugueses, será que ainda vamos a tempo?”.

“Claro que vamos a tempo. Mas este é tempo de fazermos todos, poderes públicos e portugueses, mais e melhor”, apelou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Quase um quarto dos médicos do SNS aderiram à dedicação plena

Quase 2.900 médicos aderiram voluntariamente à dedicação plena desde que entrou em vigor há dois meses, representando cerca de 24% do universo de 12 mil especialistas que trabalham nos hospitais do SNS, segundo dados oficiais avançados hoje à Lusa.

Ana Paula Mendes sobre Centro de Informação do Medicamento: “Vamos este ano assinalar os 40 anos de existência”

Em ano de 40.º aniversário, o Centro de Informação do Medicamento da Ordem dos Farmacêuticos quer “perceber com os farmacêuticos como é que o CIM-OF os tem auxiliado e como é que pode contribuir futuramente para a sua atividade diária”, mas pensa assinalar esta data “envolvendo todo o público-alvo: farmacêuticos e cidadãos”, adiantou ao HealthNews a diretora, Ana Paula Mendes.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights