Mais de 2,8 milhões de infetados em todo o mundo

3 de Abril 2021

A pandemia de covid-19 matou, pelo menos, 2.839.051 pessoas em todo o mundo desde que foi identificada a doença no final de dezembro de 2019, segundo um levantamento diário realizado pela agência de notícias Associated France-Presse (AFP).

Já foram diagnosticados mais de 130.168.360 casos de infeção desde o início da epidemia, revelam os números internacionais apurados até às 10:00 de hoje.

A grande maioria dos infetados acaba por recuperar da doença, mas existe um número indeterminado de pessoas com sequelas durante várias semanas ou mesmo meses.

A AFP sublinha que os números agora divulgados são baseados em relatórios diários das autoridades de saúde de cada país e excluem as revisões posteriores realizadas pelos organismos de estatísticas nacionais, nomeadamente por países como a Rússia, Espanha ou o Reino Unido.

Na sexta-feira, registaram-se em todo o mundo 10.140 novas mortes e 625.046 novas infeções.

Os países com mais mortes nos últimos tempos são o Brasil com 2.922 novos óbitos, os Estados Unidos (895) e a Índia (714).

Desde o início da pandemia, os Estados Unidos são os mais afetados em termos de mortes: 554.103 óbitos e 30.609.693 infetados.

Segue-se o Brasil (328.206 mortes e 12.910.082 infetados), o México com 203.854 casos mortais (2.247.357 infeções), a Índia com 164.110 mortes (12.392.260 casos) e o Reino Unido com 126.816 mortes (4.353.668 casos).

Em termos relativos, a República Checa apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 251 mortes por 100.000 habitantes, seguida pela Hungria (220), Bósnia (206), Montenegro (205) e Bélgica ( 199).

Até às 10:00 de hoje, a Europa tinha o registo de 965.895 mortes e 44.397.943 casos de infeção.

Seguia-se a América Latina e Caribe com 792.351 mortes (25.107.991 casos), os Estados Unidos e o Canadá com 577.110 mortes (31.598.947 casos).

A Ásia surge depois com 274.448 mortes (18.175.795 casos), o Médio Oriente com 114.899 mortes (6.596.424 casos), a África com 113.351 mortes (4.253.208 casos) e a Oceania com 997 mortes (38.054 casos).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou drasticamente e as técnicas de triagem e rastreamento melhoraram, levando a um aumento de casos registados.

Mesmo assim, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração dos valores totais de contaminações porque uma parte significativa dos casos menos graves ou assintomáticos continuam por detetar.

Este balanço foi realizado a partir dos dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Devido a correções realizadas pelas autoridades ou das publicações tardias o aumento dos números, nas últimas 24, podem não corresponder exatamente aos que foram publicados no dia anterior, sublinha a AFP.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights