Reino Unido vacina cidadãos com 45 a 50 anos, primeiro-ministro avisa que perigo continua

13 de Abril 2021

O Reino Unido começou esta terça-feira a vacinação contra a Covid-19 de todas as pessoas com mais de 45 anos, mas o primeiro-ministro avisou que o número de mortes e hospitalizações vai aumentar com a saída do confinamento.

A administração de vacinas aos cidadãos com mais de 45 anos é possível porque o Reino Unido conseguiu, nos primeiros dias deste mês, atingir a meta de dar pelo menos uma dose a todos os que têm mais de 50 anos.

O objetivo foi conseguido alguns dias antes do prazo que tinha sido determinado (15 de abril), tendo o Governo assegurado que todos os grupos prioritários – pessoas com mais de 50 anos, profissionais de saúde e pessoas com problemas médicos graves – receberam a oferta de uma vacina e cerca de 95% foram vacinadas.

Segundo os dados oficiais, mais de 32 milhões de pessoas, ou seja, cerca de 60% dos adultos do país receberam a primeira dose de vacina e quase 15% dos adultos receberam as duas doses.

O cumprimento desta meta permitiu dar hoje início à segunda fase da campanha de vacinação, alargando o universo de pessoas que podem começar a ser vacinadas àqueles que têm idades entre os 45 e os 49 anos.

Uma medida que o primeiro-ministro, Boris Johnson, considerou “uma boa notícia”, ao mesmo tempo que avisava para o aumento “inevitável das hospitalizações e mortes” à medida que o país vai saindo do confinamento.

Na segunda-feira, as lojas de bens não essenciais, os cabeleireiros, os ginásios e as esplanadas reabriram em Inglaterra, depois de três meses de confinamento nacional.

No mesmo dia, as pessoas aglomeraram-se em zonas como o bairro de vida noturna Soho, em Londres, onde foram colocadas mesas em ruas estreitas onde o trânsito foi fechado.

Políticos e cientistas estão a tentar moderar a euforia geral provocada pelo regresso de algumas liberdades, avisando que o vírus ainda representa uma grande ameaça.

Foi o que aconteceu em dois bairros do sul de Londres, Wandsworth e Lambeth, onde residem 650 mil pessoas, que registam um surto da estirpe do coronavírus detetado inicialmente na África do Sul.

As autoridades locais pediram a todos os residentes maiores de 11 anos para fazerem um teste PCR depois de confirmarem 44 casos positivos desta variante.

A realização do teste foi recomendada não só a quem mora na região, mas também a quem “trabalha ou viaja” ali, quer apresente ou não sintomas da doença, confirmou o município de Wandsworth em comunicado.

Os moradores dos bairros afetados devem solicitar um teste PCR “o mais rapidamente possível”, aconselhou o presidente do município de Londres, Sadiq Khan, numa mensagem divulgada no Twitter.

Também o diretor de Saúde Pública de Wandsworth, Shannon Katiyo, garantiu que “é fundamental” localizar os assintomáticos para identificar todos os casos e impedir a propagação desta variante do coronavírus.

“O programa de vacinação ajudou [a controlar os surtos], mas a maior parte do trabalho de redução da doença foi feito pelo confinamento”, referiu hoje Boris Johnson.

“Por isso, à medida que vamos ‘desconfinando’, será inevitável vermos mais infeções. Infelizmente, veremos mais hospitalizações e mortes”, acrscentou.

O Reino Unido teve o surto de coronavírus mais mortal da Europa, com mais de 127 mil mortes confirmadas.

Uma combinação de vacinação rápida e de confinamento diminuiu drasticamente a taxa de infeção e mortalidade, mas as autoridades ainda estão preocupadas.

O diretor das entidades do serviço público de saúde, a NHS Providers, Chris Hopson admitiu hoje que há “boas razões para ser cauteloso” relativamente à evolução da pandemia no país.

O ritmo da campanha de vacinação do Reino Unido diminuiu nas últimas semanas, com o número de primeiras doses a cair drasticamente, já que a campanha se passou a concentrar na administração de segundas doses.

O Governo britânico pretende administrar pelo menos uma dose de vacina anti-covid-19 a todos os maiores de 18 anos até 31 de julho.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.947.319 mortos no mundo, resultantes de mais de 136,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights