Estudo indica que dietas à base de plantas e peixe reduzem gravidade da Covid-19

8 de Junho 2021

As dietas à base de plantas e peixes podem ajudar a reduzir o risco de desenvolver infeções moderadas a graves por Covid-19, segundo um estudo esta terça-feira divulgado.

A investigação, feita em vários países, foi publicado na revista BMJ Nutrition Prevention & Health.

Vários estudos sugeriram que a dieta pode desempenhar um papel na severidade dos sintomas e na duração da doença, mas eram escassas as evidências.

Os especialistas salientam que se tratou de um estudo observacional, pelo que nenhuma causa pode ser estabelecida, apenas uma correlação.

Os investigadores basearam a sua análise nas respostas a um inquérito feito a mais de dois mil médicos e enfermeiros com uma ampla exposição ao novo coronavírus em França, Alemanha, Itália, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos da América.

Os participantes faziam parte de uma rede global de profissionais de saúde registados na plataforma Survey Healthcare Globus, dedicada à pesquisa de mercado na área da saúde.

Os investigadores utilizaram esta rede para identificar os médicos com elevado risco de infeção devido ao seu trabalho.

O inquérito online, que decorreu de julho a setembro de 2020, foi feito para obter informações detalhadas sobre os padrões alimentares dos inquiridos, com base num questionário de frequência de vários alimentos ingeridos durante o ano anterior e na gravidade da infeção por Covid-19 que estes tivessem tido.

O questionário também recolheu informação sobre a história pessoal, histórico médico, uso de medicamentos e estilo de vida dos participantes.

As várias dietas foram combinadas em dietas vegetais, de peixe e dietas de baixo teor de hidratos de carbono e alto teor de proteínas.

Variáveis potencialmente influentes, como a idade, a etnia, a especialidade médica e o estilo de vida, como fumar ou fazer exercício, foram tidas em conta na investigação.

Os inquiridos que responderam que consumiam dietas à base de plantas ou de peixe apresentavam, respetivamente, 73% e 59% menor probabilidade de infeção moderada a grave por Covid-19, em comparação com os que não tinham estes padrões alimentares.

Aqueles que disseram fazer uma dieta pobre em hidratos de carbono e com alto teor de proteínas tinham quase quatro vezes maior probabilidade de contrair uma infeção moderada a grave provocada pelo novo coronavírus, segundo o mesmo estudo.

As dietas à base de plantas são ricas em nutrientes, vitaminas e minerais, todos importantes para um sistema imunitário saudável, enquanto o peixe é uma relevante fonte de vitamina D e ácidos gordos ómega-3, com propriedades anti-inflamatórias, enfatizam os investigadores.

A pandemia de provocou, pelo menos, 3.731.297 mortos no mundo, resultantes de mais de 173,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.036 pessoas dos 853.034 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Carolina Guedes sobre a LisbonPH: “Somos o paradigma da mudança no setor da Saúde”

A LisbonPH, associação sem fins lucrativos fundada por estudantes empreendedores, organiza esta sexta-feira um evento comemorativo do seu décimo aniversário. Através do desenvolvimento de projetos focados no Profissional de Saúde, a associação tem trabalhado para ser o “paradigma da mudança no setor da saúde”. Em entrevista ao nosso jornal, a Presidente Executiva sublinhou alguns dos principais desafios e revelou as metas para a próxima década.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights