ONU diz que 70% das pessoas em tratamento de drogas em África tem menos de 35 anos

27 de Junho 2023

A Organização das Nações Unidas (ONU) indicou que 70% das pessoas que recebem tratamento para drogas em África tem menos de 35 anos, sendo a canábis a principal droga a levar os consumidores a procurar ajuda nesse continente.

Os dados constam no mais recente Relatório Mundial sobre Drogas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc), que aponta que os jovens continuam a ser o grupo mais vulnerável ao uso de drogas em todo o mundo, mas que a procura por tratamento de distúrbios relacionados a drogas permanece amplamente não atendida.

O uso de canábis é particularmente alto na África Ocidental e Central, com uma prevalência de uso em 2021 de quase 10% (30 milhões de pessoas). Além disso, o norte de África é um centro de tráfico inter-regional de resina de canábis para a Europa Ocidental.

No continente africano regista-se ainda uma grande diferença de género no uso de drogas, com uma mulher para cada nove homens a usar canábis.

Em África, o Unodc alertou para os sinais do aumento do uso não medicinal de tramadol, um opioide sintético usado no controlo da dor moderada a intensa, embora também tenha um efeito de melhoria do humor.

“A administração de doses superiores às terapêuticas de tramadol leva a um perfil de dependência semelhante ao da morfina e de outros opioides. Numerosos países no Norte, Oeste e Centro de África, no Próximo e Médio Oriente e no Sudoeste da Ásia relataram evidências de uso não medicinal da droga”, indicou o Unodc.

Embora a droga possa ser desviada da cadeia de abastecimento legal, as apreensões nessas regiões sugerem que o tramadol usado no mercado paralelo é muitas vezes um produto falsificado de dosagem mais alta do que o produto farmacêutico, e proveniente do exterior.

O continente africano foi ainda responsável por metade das quantidades de opioides farmacêuticos apreendidos em todo o mundo entre 2017 e 2021, em grande parte devido ao uso não medicinal de tramadol.

A maioria dos consumidores de opiáceos em outras partes de África consome heroína e, em alguns países, codeína e ópio.

Além disso, o consumo de cocaína parece estar a aumentar em todo o continente, em particular na África Ocidental e Austral, observou o Unodc.

A maior parte da cocaína em África é apreendida perto da costa. A região, em particular a África Ocidental, é utilizada como área de transbordo de cocaína da América do Sul com destino à Europa, explicou o Escritório da ONU.

“Das 980.000 pessoas que injetam drogas em África, mais de 100.000 (11,3%) vivem com VIH/Sida. Dentro da região, a África Austral tem a maior prevalência de pessoas que injetam drogas entre a população (0,18%) e a maior prevalência de VIH entre pessoas que injetam drogas (21,9%)”, diz o relatório.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APAH defende autonomia após ministra anunciar auditoria

 A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) defendeu hoje autonomia para as administrações tomarem decisões, depois de a ministra da Saúde anunciar a criação de uma comissão para auditar os conselhos de administração dos hospitais.

Enfermeiros denunciam situação “explosiva” na Linha SNS 24

A Linha SNS 24 vive uma situação “explosiva” e, entre os enfermeiros que prestam serviço nesta linha de atendimento, já se fala em paralisação. A denúncia é feita pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que teve conhecimento do caso por meio de uma exposição dos enfermeiros que ali prestam serviço, em tempo parcial.

Violência contra a pessoa idosa em debate

A Câmara Municipal de Ponta Delgada (São Miguel, Açores) promove na próxima sexta-feira, às 9h30, uma palestra subordinada ao tema da consciencialização da violência contra a pessoa idosa, isto na véspera do dia mundial que lhe é dedicado pela Organização das Nações Unidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights