Governo investe 105ME do PRR em modernização e competências digitais no ensino superior

27 de Outubro 2023

O Governo vai lançar hoje um programa de investimento de 105 milhões de euros nas competências digitais e modernização de algumas áreas no ensino superior, no âmbito da reprogramação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Focado na transição digital, o programa “Impulso Mais Digital” pretende apoiar a modernização pedagógica e da formação nas áreas de ciências agrárias e medicina, apostando também nas competências digitais nas áreas não tecnológicas.

Do total de 105 milhões de euros, a maior fatia vai para a reforma e modernização formação inicial e contínua em medicina (30 milhões de euros), com ênfase nas componentes digital e tecnológica.

Até junho de 2026, o objetivo é ter, pelo menos, cinco mil estudantes de mestrado integrado em medicina a frequentar unidades curriculares com recurso a ambientes digitais ou de simulação médica e, pelo menos, 7.500 profissionais de saúde em formações centradas na modernização tecnológica e digital, explica o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior em comunicado.

Além da medicina, o programa aposta na modernização das ciências agrárias, para as quais está destinada uma dotação de 15 milhões de euros, fomentando a ligação às tecnologias, ambiente e clima. A meta é a reforma de 20 programas de licenciatura ou mestrado, bem como a formação de mil profissionais do setor agrícola.

O novo programa dedica ainda 20 milhões de euros ao reforço das competências digitais, chegando, até 2026, a quase 12 mil pessoas com formação base noutras áreas que não estejam relacionadas com ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática.

No que respeita à inovação e modernização pedagógica no ensino superior, o executivo vai investir 20 milhões de euros para a criação de centros de excelência e inovação pedagógica, e outros 20 milhões de euros para financiar o Programa de Promoção de Sucesso e Redução de Abandono no Ensino Superior.

Neste âmbito, está ainda prevista a criação do Conselho Nacional de Inovação Pedagógica no Ensino Superior, enquanto “entidade permanente na promoção da inovação pedagógica e da formação pedagógica para doentes de ensino superior”.

O Ministério adianta ainda que a reprogramação do PRR permitiu o reforço, em 70 milhões de euros, do financiamento do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, de forma a apoiar as instituições face ao aumento dos custos de construção.

São também reforçados, em 15 milhões de euros, os programas Impulso Jovens STEAM, destinado ao reforço da formação superior de jovens em áreas de ciências, tecnologias, engenharias, artes e matemática, e Impulso Adultos, para a conversão e atualização de competências de adultos ativos.

De acordo com a tutela, entre as diversas medidas, a reprogramação do PRR vai permitir reforçar em cerca de 190 milhões de euros o investimento no setor do ensino superior.

O programa será lançado hoje numa sessão no Salão Nobre do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto, onde estarão presentes as ministras da Presidência, Mariana Vieira da Silva, e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato, e a comissária Europeia para a Coesão e Reformas, Elisa Ferreira.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights