Sindepor decidiu manter greve de enfermeiros devido a falta de abertura do Governo

11 de Novembro 2023

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) decidiu hoje manter a greve ao trabalho extraordinário, devido à falta de abertura do Governo para negociar, disse à agência Lusa fonte dos representantes dos trabalhadores.

“Nós compreendemos a atual situação do Governo e estaríamos dispostos a parar a greve se nos dessem um sinal de abertura ao diálogo”, disse Fernando Fernandes, vice-presidente do Sindepor.

Este dirigente sindical assegurou que a greve vai continuar enquanto o executivo, ao contrário do que aconteceu com outros sindicatos, continuar sem ouvir estes trabalhadores.

Fernando Fernandes afirmou “não compreender esta discrepância” em relação a alguns sindicatos, compreendendo que a queda do Governo poderia levar a uma suspensão da greve.

Os enfermeiros iniciaram em 03 de novembro uma greve ao trabalho extraordinário, convocada pelo Sindepor, para exigir a correção de desigualdades na carreira, protesto que se deveria prolongar até ao final do ano.

Entre as reivindicações associadas à greve, o Sindepor pede a integração imediata nos quadros de todos os enfermeiros com contratos de trabalho válidos e o cumprimento das chamadas “dotações seguras”, através da admissão imediata de enfermeiros, bem como “a consagração efetiva da autonomia das instituições para contratarem”.

Os enfermeiros reclamam também a concretização da regularização e da abertura de concursos para todas as categorias, nomeadamente enfermeiro, enfermeiro especialista e enfermeiro gestor, assim como para as funções de direção, “aliada à justa aplicação legal da contagem de pontos a todos os enfermeiros para efeitos de progressão na carreira”.

O objetivo do sindicato é discutir estes pontos com o Ministério da Saúde, num processo negocial para uma carreira de enfermagem “aplicável de igual forma, que valorize a profissão, corrija desigualdades, injustiças e as discriminações atuais”.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses desconvocou na quinta-feira uma greve que deveria ter início na sexta-feira por considerar que o motivo da paralisação, que pretendia pressionar o Governo a negociar soluções para estes profissionais, deixou de fazer sentido pois o executivo está “em funções de gestão”.

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) anunciou na quarta-feira que vai manter a greve nacional e às horas extraordinárias, justificando que os problemas dos enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde (SNS) subsistem depois da demissão do primeiro-ministro.

Portugal vai ter eleições legislativas antecipadas em 10 de março de 2024, marcadas pelo Presidente da República, na sequência da demissão do primeiro-ministro, na terça-feira.

António Costa é alvo de uma investigação do Ministério Público (MP) no Supremo Tribunal de Justiça, após suspeitos num processo relacionado com negócios sobre o lítio, o hidrogénio verde e um centro de dados em Sines terem invocado o seu nome como tendo intervindo para desbloquear procedimentos.

O MP considera que houve intervenção do primeiro-ministro na aprovação de um diploma favorável aos interesses da empresa Start Campus, responsável pelo centro de dados, de acordo com a indiciação, que contém várias outras referências a António Costa.

No dia da demissão, Costa recusou a prática “de qualquer ato ilícito ou censurável”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Meira diz que Força Aérea não tinha meios para ajudar INEM

O presidente demissionário do INEM revelou hoje que quando o instituto foi forçado a reduzir o serviço de helicópteros durante a noite, no início do ano, contactou a Força Aérea, que disse não ter meios para poder garantir a resposta necessária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights