Companhias aéreas processam governo britânico devido à imposição de quarentena

12 de Junho 2020

 As companhias aéreas British Airways, EasyJet e Ryanair lançaram uma ação legal contra o Governo britânico para eliminar a quarentena imposta aos viajantes que chegam ao Reino Unido, foi anunciado esta sexta-feira.

Numa declaração conjunta, as empresas declararam que a quarentena em vigor desde segunda-feira, com um período mínimo de três semanas, “terá um efeito devastador no turismo e na economia do Reino Unido e destruirá milhares de empregos”

As companhias aéreas pediram que o assunto fosse levado à justiça o mais depressa possível.

Segundo as empresas, a quarentena é muito restritiva e não se baseia em nenhuma consulta ou evidência científica.

As companhias aéreas apontam que a medida tem isenções quanto aos franceses e alemães que vão ao país todas as semanas e tem como alvo viajantes de países onde as taxas de contaminação pelo novo coronavírus são mais baixas do que as do Reino Unido.

O Governo britânico sugeriu que poderia estabelecer pontes aéreas para certos países, a fim de não comprometer o renascimento do turismo há muito aguardado pelo setor aéreo.

Mas as três empresas duvidam desse dispositivo e pedem ao Governo que restabeleça a quarentena introduzida em 10 de março, válida apenas para viajantes de países de alto risco.

Após o encerramento das suas atividades por longas semanas devido à Covid-19, o setor aéreo planeou uma retomada muito gradual dos voos neste verão, mas esses planos seriam interrompidos por esta quarentena.

Esta última, com duração de 14 dias, será reavaliada a cada três semanas e diz respeito a todas as chegadas por terra, mar e ar, independentemente de os viajantes residirem ou não no Reino Unido.

Verificações aleatórias serão implementadas e os infratores terão uma multa de 1.000 libras (1.122 euros).

Exceções são feitas para transportadores rodoviários, pessoal de saúde, apanhadores de fruta ou viajantes da Irlanda.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 418 mil mortos e infetou mais de 7,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights