Lilly lança primeiro estudo de tratamento com anticorpos

12 de Junho 2020

A farmacêutica Lilly lançou o primeiro estudo mundial de um potencial tratamento da covid-19 com anticorpos, em doentes internados nos Estados Unidos da América, e conta ter resultados desta fase já no final do mês.

Em declarações à Lusa, o diretor médico da Lilly em Portugal, Luís Laranjeira, explicou que este anticorpo – a que deram o nome de LY-CoV555 e que resulta de uma colaboração com a empresa de biotecnologia AbCellera – impede a entrada nas células humanas do vírus que provoca a covid-19.

“O que vimos em laboratório é que este potencial medicamento é muito eficaz ao ligar-se às proteínas em volta do vírus, impedindo a acoplagem do vírus e a sua entrada nas células humanas”, explicou.

O responsável disse que esta fase do estudo, a primeira, pretende testar a segurança e a tolerabilidade deste anticorpo em doentes internados em três centros nos EUA (Nova Iorque, Los Angeles e Atlanta) e deverá ter os primeiros resultados “no final deste mês, início do próximo”.

“Só depois é que avançamos para uma segunda fase, para avaliar a eficácia”, explicou, lembrando que, ao mesmo tempo, a empresa irá na segunda fase avançar também para a produção”, disse, acrescentando: “Claro que se não vier a ser aprovado ou se tiver algum problema a produção é destruída e não será utilizada”.

“Como estamos numa luta de contrarrelógio contra a pandemia, o que a Lilly pretende é ter no final do ano já umas centenas de milhares de doses de potencial medicamento para o caso da fase 2, que avançará em doentes em ambulatório, se correr bem”, sublinhou.

Luís Laranjeira explicou ainda que, além de um tratamento, este anticorpo também pode vir a ser usado em doentes mais idosos ou com doenças autoimunes, que habitualmente não podem levar a vacina.

“Nestes doentes, a pequena infeção que a vacina provoca para estimular o sistema imunitário a produzir anticorpos para o vírus poderia ser muito grave”, explicou.

“Vamos querer avaliar se nestes doentes internados não há problemas de segurança nem de tolerabilidade e saber ao fim de quanto tempo temos concentrações máximas do medicamento e durante quanto tempo se mantêm”, explicou.

“Na segunda fase, esperamos estender a mais centros, com doentes em ambulatório, e provavelmente fora dos Estados Unidos. Sempre em doentes muito selecionados para sermos rápidos, pois o objetivo é conseguir ter o potencial medicamento ainda este ano”, acrescentou.

Este anticorpo foi desenvolvido pelos cientistas da Lilly em três meses, depois de a AbCellera e o Vaccine Research Center at the National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID) o terem identificado a partir de uma amostra de sangue de um doente americano que recuperou da covid-19.

Questionado sobre a forma de administração, o responsável da Lilly disse que deverá ser injetável e, em princípio, de toma única. “Vamos ver como é que este anticorpo se comporta. Tudo está ainda a ser avaliado”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 418 mil mortos e infetou mais de 7,4 milhões de pessoas em todo o mundo. Pelo menos 3,3 milhões de doentes foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Portugal regista hoje 1.505 mortes relacionadas com a covid-19, mais um do que na quinta-feira, e 36.180 infetados, mais 270, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

238 casos de Mpox detetados em Portugal desde junho

Cerca de 240 casos de Mpox foram detetados em Portugal desde 01 de junho do ano passado, revela um balanço da Direção-Geral da Saúde (DGS), segundo o qual o surto continua ativo, mas com tendência decrescente.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights