Campanha revela que pandemia reduziu número de doentes com AVC nos hospitais

17 de Junho 2020

A Campanha "O AVC não fica em casa" lançada esta quarta-feira alerta que metade dos hospitais portugueses tratou até menos 50% dos casos de AVC nas últimas semanas, reforçando que. mesmo em tempo de pandemia. a patologia tem de ser tratada no hospital.

Um inquérito da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC) mostrou que, em 32 hospitais portugueses, metade viu o número de doentes com AVC reduzir entre 25% e 50%.

“Durante o período de pandemia da Covid-19, tivemos uma redução no número de doentes com AVC que se deslocavam aos hospitais”, admite o presidente da SPAVC, Castro Lopes.

“Os números são preocupantes e precisamos de garantir que os doentes estão seguros para continuar a otimizar a qualidade de tratamento em todos as Unidades de AVC existentes. O tempo de chegada ao hospital é fulcral para o sucesso do tratamento, e há equipas preparadas para tratar os doentes, num circuito protegido e paralelo ao dos doentes infetados por Covid-19”, refere o especialista.

Face a estes números, Cláudia Queiroga, da Iniciativa Angels, destaca que é necessário construir uma comunidade global de Unidades de AVC que preste os melhores cuidados a todos os doentes com AVC.

“É fundamental evitar as graves consequências secundárias ao tratamento inadequado do AVC”, afirma a coordenadora nacional da Angels, que assume que a pandemia tem tido “um impacto negativo sério nas taxas de incapacidade e mortalidade provocadas por AVC em Portugal” e realça que o medo sentido pelos doentes em deslocar-se às unidades hospitalares é injustificado.

“Esta é uma realidade que a campanha ‘O AVC não fica em casa’ tenta combater, reforçando a ideia de que foram criadas estratégias para garantir uma Via Verde segura e o retorno ao funcionamento dos serviços de saúde, tanto a nível hospitalar como extra-hospitalar”, garante.

A Iniciativa Angels refere que, a cada 30 minutos, um doente com AVC, que poderia ter sido salvo, morre ou fica permanentemente incapacitado, porque não foi tratado no hospital indicado. Por isso, sublinha que o principal objetivo é que todos os doentes com AVC tenham acesso ao mesmo nível de cuidados, independentemente da região onde se encontram, realçando também a importância da fase da reabilitação e do seguimento do doente com AVC, algo que a SPAVC relembra que é uma preocupação da quase totalidade dos doentes.

“Acreditamos que vamos conseguir voltar aos processos que vínhamos implementando, com uma abordagem multidimensional para melhorar os cuidados proporcionados aos sobreviventes de AVC. Estamos motivados para continuar a lutar pelos objetivos de acesso e qualidade desta fase de cuidados”, afirma Castro Lopes, fundador da SPAVC.

O AVC continua a ser a principal causa de morte em Portugal, sendo também a principal causa de morbilidade e de potenciais anos de vida perdidos. As primeiras horas após o início dos sintomas de AVC são essenciais para o socorro do doente, pois é esta a janela temporal que garante a eficácia dos principais tratamentos.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 443 mil mortos, incluindo 1.523 em Portugal.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights