Madrid, Paris, Londres e Roma tencionam tributar rapidamente gigantes digitais

18 de Junho 2020

Espanha, França, Reino Unido e Itália responderam hoje à retirada dos Estados Unidos da mesa de negociações da OCDE para estabelecer um imposto internacional para as grandes empresas digitais, reafirmando a vontade de impor rapidamente uma taxa a estas empresas.

Espanha, França, Reino Unido e Itália responderam hoje à retirada dos Estados Unidos da mesa de negociações da OCDE para estabelecer um imposto internacional para as grandes empresas digitais, reafirmando a vontade de impor rapidamente uma taxa a estas empresas.

O ministro francês da Economia, Bruno Le Maire, explicou hoje, numa entrevista à “France Inter”, que estes quatro países europeus responderam imediatamente à mensagem do Secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, na qual afirmou que “não querem continuar as negociações na OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico] sobre a tributação digital”.

Nesta resposta, Madrid, Paris, Londres e Roma confirmam que querem “uma tributação justa dos gigantes digitais na OCDE o mais rapidamente possível”.

Le Maire considerou a retirada dos Estados Unidos da mesa de negociações “uma provocação”, em primeiro lugar porque estavam “a poucos centímetros de um acordo”, mas também devido ao tratamento dado a estes quatro países “aliados”, “ameaçando-os sistematicamente com sanções”.

O ministro francês afirmou que este ano, no seu país, os gigantes digitais terão de pagar impostos e que existem duas alternativas.

Ou se chega a um compromisso internacional, que é o que foi tentado na OCDE, ou França aplicará o seu próprio imposto nacional, que foi suspenso, mas não retirado, enquanto se aguarda o resultado dessas negociações multilaterais.

Le Maire garantiu que há muitos outros países que seguirão o mesmo caminho e justificou a relevância de tal taxa precisamente agora que “os gigantes digitais foram os únicos no mundo a ter colhido imensos benefícios com a crise da covid-19”.

Há meses que mais de 130 países e territórios debatem a fiscalidade da atividade digital para tributar as multinacionais onde têm os seus clientes, mesmo que não tenham uma presença física, com o objetivo de concluir um acordo antes do final de 2020.

 

NR/HN/Lusa

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights