Mais de 950 mil mortos e 30,5 milhões de infetados em todo o mundo

19 de Setembro 2020

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a mais de 950 mil pessoas e infetou mais de 30,5 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, hoje às 11:00 TMG (12:00 em Lisboa), já morreram pelo menos 953.025 pessoas e 30.556.040 foram infetadas em 196 países e territórios desde o início da epidemia de covid-19, em dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 20.629.000 pessoas já foram consideradas curadas pelas autoridades de saúde.

O número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções. Alguns países testam apenas casos graves, outros priorizam o teste de rastreamento e muitos países pobres têm capacidade limitada de teste.

Na sexta-feira, 5.813 novas mortes e 331.948 novos casos foram registados em todo o mundo.

Os países que registaram o maior número de novas mortes nos seus últimos relatórios são a Índia com 1.247 novas mortes, os Estados Unidos (880) e o Brasil (858).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 198.597 mortes em 6.725.044 casos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins. Pelo menos 2.556.465 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são Brasil com 135.793 mortes para 4.495.183 casos, Índia com 85.619 mortes (5.308.014 casos), México com 72.803 mortes (688.954 casos) e o Reino Unido Unidos com 41.732 mortes (385.936 casos).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que declara o maior número de mortes em relação à sua população, com 95 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Bélgica (86), Espanha (65), Bolívia (65) e Brasil (64).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) contabilizou oficialmente um total de 85.269 casos (14 novos entre sexta e sábado), incluindo 4.634 mortes e 80.464 recuperações.

A América Latina e as Caraíbas totalizaram 320.809 mortes em 8.636.686 casos no sábado às 11:00 GMT, a Europa 224.786 mortes (4.779.619 casos), Estados Unidos e Canadá 207.837 mortes (6.866.650 casos), a Ásia 123.321 mortes (7.077.509 casos), o Médio Oriente 41.741 mortes (1.771.780 casos), África 33.621 mortes (1.392.772 casos) e a Oceânia 910 mortes (31.029 casos).

O balanço foi realizado com base em dados recolhidos pelos escritórios da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Devido a correções feitas pelas autoridades ou à publicação tardia dos dados, os números podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

Em Portugal morreram 1.894 pessoas dos 67.176 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China, e que rapidamente se disseminou pelo mundo.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

José Albino é novamente presidente da Respira

Os associados da Respira – Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas elegeram, no passado dia 6 de junho, a nova direção para o quadriénio 2024-2027. José Albino e Paula Duarte iniciam agora o mandato na qualidade de presidente e vice-presidente, respetivamente.

Dermatite atópica: Novos dados sobre upadacitinib

A AbbVie anuncia os resultados do LEVEL UP, um estudo de Fase 3b/4, aberto (mas com ocultação para o avaliador) e comparativo que avaliou a eficácia e a segurança de upadacitinib (com dose inicial de 15 mg uma vez por dia e ajuste da dose com base na resposta clínica) comparativamente a dupilumab (na dose aprovada) em adultos e adolescentes (com idade ≥ 12 anos) com dermatite atópica (DA) moderada a grave que tiveram uma resposta inadequada à terapêutica sistémica ou quando a utilização desse tipo de terapêuticas era desaconselhada.

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights