Califórnia torna-se terceiro estado dos EUA a ultrapassar 25.000 mortes

1 de Janeiro 2021

As autoridades da Califórnia, nos Estados Unidos, vão patrulhar as ruas para impedir festas de fim de ano e conter o vírus da covid-19, num estado que ultrapassou hoje as 25.000 mortes devido à doença.

O estado do sudoeste dos Estados Unidos é o terceiro do país a passar esta marca, depois de Nova Iorque e Texas, disseram autoridades de saúde.

A Califórnia também confirmou o segundo caso relatado nos Estados Unidos de uma estirpe do coronavírus que parece ser mais contagiosa.

Segundo o departamento de Saúde Pública do estado, os hospitais do sul da Califórnia e do vale agrícola de San Joaquin – que, em conjunto, respondem pela grande maioria dos 40 milhões de residentes da Califórnia – já não têm mais capacidade nas unidades de cuidados intensivos para tratar doentes com covid-19.

Os hospitais estão a acolher doentes em corredores, salas de conferências, refeitórios e lojas e estão a ser improvisados quartos em tendas, estádios e escolas.

Nova Iorque foi o primeiro estado norte-americano a atingir o número de 25.000 mortos, contabilizando agora quase 38.000, seguido do Texas, que tem mais de 27.000, de acordo com uma contagem da Universidade Johns Hopkins.

A Califórnia registou o seu primeiro caso de covid-19 no final de janeiro, sendo que, em agosto, somava 10.000 mortes.

Esta semana, o condado de Los Angeles atingiu um “marco terrível”, com 274 mortes em 24 horas, que elevou o número de vítimas mortais para um recorde de 10.056 pessoas, disse a diretora de saúde do condado, Barbara Ferrer.

A maior parte do estado está sob medidas para combater os contágios, que foram recentemente prolongadas e implicaram o fecho ou redução da capacidade de várias lojas e estabelecimentos comerciais, e as pessoas estão a ser instadas a ficar em casa o máximo possível.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.806.072 mortos resultantes de mais de 82,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (342.414) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 19,7 milhões).

Seguem-se, em número de mortos, o Brasil (193.875 mortos, mais de 7,6 milhões de casos), a Índia (148.738 mortos, mais de 10,2 milhões de infetados), o México (124.897 mortos, mais de 1,4 milhões infetados) e a Itália (73.604 mortos, mais de 2 milhões de casos).

A Rússia, com mais de 3 milhões de casos e 56.426 mortos, é o quarto país do mundo em número de infetados, depois de EUA, Índia e Brasil, seguindo-se a França (mais de 2,6 milhões de casos e 64.381 mortos), o Reino Unido (mais de 2,4 milhões de casos, 73.512 mortos) e a Itália (mais de 2 milhões de casos, 72.370 mortos).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights