Papa pede jornalismo corajoso e controlo de notícias falsas na Internet

23 de Janeiro 2021

O papa Francisco pediu hoje um "jornalismo corajoso" que venha ao encontro das pessoas e histórias, propondo ainda o controlo das notícias falsas na Internet, especialmente neste período de pandemia da covid-19.

“Opiniões atentas lamentam, há muito, o risco de um nivelamento nos ‘jornais fotocópia’, nos noticiários de rádio e televisão e páginas da internet que são substancialmente iguais, em que o género de investigação e da reportagem perdem espaço”, alertou o papa numa mensagem para o 55.º Dia Mundial das Comunicações, 16 de maio.

Em sua opinião, os meios de comunicação oferecem mais espaço para a “informação pronta” e cada vez menos são capazes de intercetar “a verdade das coisas e a vida concreta das pessoas” ou de “recolher os fenómenos sociais mais graves”.

“A crise do setor editorial pode levar a informações construídas nas redações, na frente do computador, nos terminais das agências, nas redes sociais, sem nunca sair para a rua, sem ‘gastar as solas dos sapatos’, sem encontrar pessoas em busca de histórias”, alertou, parafraseando o jornalista espanhol Manuel Lozano Garrido, falecido em 1971 e beatificado em 2010.

Diante desse cenário, Francisco agradeceu a coragem de tantos que têm “a capacidade de ir aonde ninguém vai” para mostrar a realidade.

Só assim, disse, se pode conhecer “as difíceis condições das minorias perseguidas em várias partes do mundo” ou os abusos e injustiças contra os pobres ou o meio ambiente.

Isso é especialmente importante durante a pandemia de coronavírus e na distribuição de vacinas e medicamentos, porque existe o risco de ser contado “pelos olhos do mundo mais rico”, ignorando os países mais pobres.

“Quem nos falará da esperança de cura dos povos mais pobres da Ásia, América Latina e África? Assim, as diferenças sociais e económicas em nível planetário correm o risco de marcar a ordem da distribuição das vacinas contra a covid-19″, alertou.

Mas a devastação económica da pandemia também atingiu os países “mais afortunados”, onde o drama das famílias que caíram na pobreza está “em grande parte escondido”.

Francisco apreciou o contributo da Internet, que permite multiplicar a capacidade de contar e partilhar a história e de oferecer informação “em primeira mão e oportuna”, especialmente útil em tempos de emergência.

No entanto, alertou para “os riscos da falta de controlo da comunicação social”.

“Nós descobrimos, há muito tempo, como notícias e imagens são fáceis de manipular, por milhares de motivos, às vezes apenas por um narcisismo banal. Essa consciência crítica empurra não para demonizar o instrumento, mas para uma maior capacidade de discernimento e um senso de responsabilidade mais maduro”, afirmou.

“Todos somos responsáveis pela comunicação que fazemos, pelas informações que damos, pelo controlo que juntos podemos exercer sobre as notícias falsas, desmascarando-as. Todos somos chamados a ser testemunhas da verdade: ir, ver e compartilhar”, indicou.

O papa salientou ainda que “na comunicação nada pode substituir completamente o facto de ver em pessoa”, já que “algumas coisas só se aprendem com a experiência: não se comunica, de facto, apenas com palavras, mas com os olhos, com o tom da voz, com os gestos”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights