Cirurgião-geral dos EUA pede esforço nacional contra desinformação sobre covid

16 de Julho 2021

O cirurgião-geral dos EUA, Vivek Murthy, pediu esta sexta-feira um esforço nacional para combater a desinformação sobre a Covid-19 e a vacinação, exortando as empresas de tecnologia, os profissionais de saúde e os jornalistas a alterar algumas das suas práticas.

No seu primeiro comunicado enquanto cirurgião geral do presidente Joe Biden, Murthy focou-se na pandemia e alertou para o facto de as informações falsas levarem a que muita gente rejeite as vacinas e os conselhos de saúde pública, como o uso de máscaras ou o distanciamento social.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 600 mil mortes nos Estados Unidos mas o ritmo de vacinação começa a diminuir no país e Vivek Murthy acredita que esta oposição à vacina foi sendo alimentada por fakenews, avança a agência de notícias Associated Press (AP).

Murthy, que foi também o cirurgião-geral no governo do presidente Barack Obama, lembrou que os conselhos de quem ocupa o seu lugar concentram-se, geralmente, em torno de ameaças físicas à saúde, como o tabaco.

No entanto, Murthy defendeu hoje a desinformação sobre este novo vírus pode ser igualmente mortal: “A desinformação representa uma ameaça iminente e traiçoeira à saúde de nossa nação”, afirmou em declarações aos jornalistas na Casa Branca.

Tendo em conta o papel da internet na disseminação de informações incorretas, Murthy pediu às empresas de tecnologia e plataformas de media mudanças nos seus produtos e software para que consigam reduzir a disseminação de informações incorretas e, ao mesmo tempo, aumentar o acesso a fontes confiáveis ​​e baseadas em fatos.

O Facebook, YouTube, Twitter e outras plataformas têm defendido o seu trabalho para conter a maré de desinformação. O Twitter, por exemplo, removeu mais de 40 mil publicações que violavam as regras de desinformação Covid-19, informou hoje a plataforma em resposta a Murthy.

“Concordamos com o cirurgião geral”, disse o Twitter em  comunicado, acrescentando que “o combate à desinformação sobre saúde exige uma abordagem de toda a sociedade.”

As recomendações de Murthy foram além das empresas de tecnologia: Aos professores pediu que levassem para dentro das salas de aula a alfabetização mediática e o pensamento crítico.

Aos jornalistas, sugeriu que deveriam trabalhar para desmistificar de forma responsável as desinformações sobre saúde, sem inadvertidamente as divulgar ainda mais.

Quanto aos profissionais de saúde pública, acrescentou, deveriam fazer um trabalho melhor respondendo às perguntas.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights