Comunidade regional africana defende resposta coordenada para travar cólera

29 de Janeiro 2024

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) defendeu hoje uma resposta regional coordenada para se evitar a propagação do surto de cólera que afeta alguns países da região, sobretudo a Republica Democrática do Congo e a Zâmbia.

A posição foi manifestada hoje pelo presidente em exercício do Conselho de Ministros da SADC, o embaixador e ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, referindo que o combate da doença constitui um desafio comum a nível da região.

Téte António, que falava na abertura da sessão extraordinária do Conselho de Ministros da SADC, que decorreu em formato virtual, recordou que a circulação de pessoas, bens e serviços cria um ambiente propício para a propagação fácil da cólera para os países.

“Este cenário clama por uma resposta regional coordenada para fazer frente a este desafio, pois nenhum país pode combater sozinho uma doença como a cólera, que não respeita fronteiras”, disse o ministro angolano.

Defendeu também uma ação coletiva, abrangente e coordenada para prevenir e controlar a cólera, referindo que os peritos do setor da saúde já vêm discutindo de forma exaustiva as medidas que se impõem para prevenir e conter a doença.

“Enquanto região, demonstramos profunda resiliência e garra coletiva perante outros desafios de saúde, tais como o VIH e Sida e a covid-19. Graças aos nossos esforços regionais, registámos avanços assinaláveis para prevenir e atenuar os impactos devastadores destas pandemias sanitárias”, recordou.

O presidente em exercício do Conselho de Ministros da SADC apontou a necessidade de forjar uma “frente unida” para se evitar de forma sustentável a propagação generalizada da cólera “e, na verdade, a propagação generalizada de quaisquer futuras doenças ou pandemias futuras que possam cruzar o nosso caminho”, realçou.

Zâmbia e a República Democrática do Congo (RDCongo), ambos países com extensa fronteira terrestre com Angola, são os países que registam a epidemia de cólera, devido às intensas chuvas que caem naqueles territórios.

Angola, sem qualquer registo de casos, segundo as autoridades, está no nível 2 de alerta e já reforçou o seu sistema de vigilância.

Dirigindo-se aos membros da SADC e altos funcionários do bloco regional, Téte António salientou que a região precisa de dar prioridade aos investimentos em infraestruturas sanitárias, à prevenção e à promoção da saúde.

“Para que possamos criar comunidades mais saudáveis, desbloquear o potencial humano e reafetar recursos para o desenvolvimento sustentável”, assinalou, tendo igualmente destacado a ação do Comité de Ministros da Saúde em torno do assunto.

O apoio dos parceiros da SADC, nomeadamente da Organização Mundial de Saúde, o Centro Africano para o Controlo e Prevenção de Doenças (CDC África) e a UNICEF, em matéria de conhecimentos técnicos e orientação dos Estados-membros em questões relacionadas com a saúde pública foi também destacado pelo embaixador angolano.

NR/HN/Lusa

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights