Nigéria é o primeiro país no mundo a aplicar nova vacina contra meningite

13 de Abril 2024

A Nigéria tornou-se no primeiro país do mundo a aplicar uma nova vacina, recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), contra cinco estirpes da bactéria que provoca a meningite, anunciou hoje a OMS.

A vacina, denominada Men5CV, é financiada pela Gavi the Vaccine Alliance, que detém a reserva mundial de vacinas contra a meningite e apoia os países de baixo rendimento na vacinação de rotina contra a doença, explicou a OMS em comunicado.

“A Nigéria é um dos 26 países hiper-endémicos da meningite em África, situada na zona conhecida como a Cintura Africana da Meningite”, afirmou.

No ano passado, registou-se um aumento de 50% nos casos anuais de meningite notificados em toda a África, referiu.

Na Nigéria, o surto de uma estirpe da bactéria conduziu a 1.742 casos suspeitos, dos quais 101 foram confirmados, e a 153 mortes em sete dos 36 Estados do país – Adamawa, Bauchi, Gombe, Jigawa, Katsina, Yobe, Zamfara – entre 01 de outubro de 2023 e 11 de março de 2024.

“Para travar o surto mortal, foi levada a cabo uma campanha de vacinação entre 25 a 28 de março” em pessoas com idades compreendidas entre 1 e 29 anos, indicou.

A meningite é uma infeção grave que provoca a inflamação das membranas (meninges) que envolvem e protegem o cérebro e a medula espinhal, explicou.

“As causas da meningite são múltiplas, incluindo agentes patogénicos virais, bacterianos, fúngicos e parasitários. Os sintomas incluem frequentemente dores de cabeça, febre e rigidez do pescoço. A meningite bacteriana é a mais grave e pode também resultar em septicemia (envenenamento do sangue) e incapacitar gravemente ou matar em 24 horas as pessoas que a contraem”, referiu.

“A meningite é um inimigo antigo e mortal, mas esta nova vacina tem o potencial de mudar a trajetória da doença, prevenindo futuros surtos e salvando muitas vidas”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, citado no comunicado.

“O lançamento da vacina na Nigéria aproxima-nos mais um passo do nosso objetivo de eliminar a meningite até 2030”, indicou o diretor-geral.

A nova vacina oferece um escudo contra as cinco principais estirpes da bactéria meningocócica (A, C, W, Y e X) numa única injeção, segundo a OMS.

Estas cinco estirpes causam meningite e septicemia, indicou.

Desta forma, há uma proteção mais ampla do que com a atual vacina utilizada em grande parte de África, que só é eficaz contra a estirpe A, declarou.

A OMS tem estado a apoiar o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da Nigéria (NCDC) na resposta ao surto de meningite no país, sendo que isso inclui a vigilância da doença, a deteção ativa de casos, a análise de amostras e a gestão de casos, sublinhou.

Em 26 de abril, em Paris, vai decorrer a cimeira internacional sobre a meningite, “onde os líderes se reunirão para celebrar os progressos, identificar os desafios e avaliar os próximos passos no sentido da eliminação da meningite como problema de saúde pública até 2030”, concluiu.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

Fernando Araújo: Autorizações para contratar médicos “têm demorado menos que três dias úteis”

Na comissão parlamentar de Saúde, esta quarta-feira, Fernando Araújo apresentou os feitos da reforma do Serviço Nacional de Saúde e da equipa que liderou enquanto diretor executivo. A reforma “tem conseguido alterar esta burocracia, estes patamares administrativos, estes tempos que eram incomportáveis na gestão do SNS”, tendo decorrido com o envolvimento dos profissionais: “de baixo para cima”.

Fernando Araújo: “Não estive em nenhuma das reuniões do grupo de emergência”

O antigo diretor executivo, ouvido hoje na comissão parlamentar de Saúde, disse que a DE-SNS não teve conhecimento do plano estratégico do novo ministério. “Não é num tom de crítica, é apenas factual”, ressalvou. Para Fernando Araújo, não fazia sentido implementar medidas perante a vontade de “fazer algo diferente”.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights