Uso diário de canábis supera o consumo de álcool nos Estados Unidos

23 de Maio 2024

Milhões de pessoas nos EUA dizem consumir canábis diariamente ou quase todos os dias, de acordo com uma análise de dados de sondagens nacionais que aponta para um número superior em relação ao consumo de álcool.

O álcool ainda é mais amplamente consumido, mas 2022 foi a primeira vez que este nível intensivo de consumo de canábis ultrapassou o consumo diário e quase diário, sublinhou o autor do estudo, Jonathan Caulkins, investigador de políticas sobre canábis na Universidade Carnegie Mellon.

“Cerca de 40% dos atuais consumidores de canábis consomem-na diariamente ou quase diariamente, um padrão que está mais associado ao consumo de tabaco do que ao consumo típico de álcool”, frisou Caulkins, citado pela agência Associated Press (AP).

A investigação, publicada esta quarta-feira na revista Addiction, foi baseada em dados da Sondagem Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde, uma fonte altamente conceituada de estimativas auto referidas sobre o uso de tabaco, álcool e drogas nos Estados Unidos.

Em 2022, cerca de 17,7 milhões de pessoas relataram consumir canábis diariamente ou quase diariamente, em comparação com 14,7 milhões de consumidores diários ou quase diários, de acordo com o estudo.

De 1992 a 2022, a taxa per capita de relatos de uso diário ou quase diário de canábis aumentou 15 vezes.

Caulkins reconheceu no estudo que as pessoas podem estar mais dispostas a denunciar o uso de canábis à medida que a aceitação pública cresce, o que pode ter impulsionado o aumento.

A maioria dos estados agora permite a canábis medicinal ou recreativa, embora continue ilegal em nível federal.

Em novembro, os eleitores da Florida decidirão sobre uma emenda constitucional que permitirá a canábis recreativa, e o governo federal está a avançar para reclassificar a marijuana como uma droga menos perigosa.

A investigação mostra que os consumidores muito frequentes têm maior probabilidade de se tornarem viciados em canábis, realçou David A. Gorelick, professor de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland, que não esteve envolvido no estudo.

O número de utilizadores diários sugere que mais pessoas correm o risco de desenvolver uso problemático ou dependência de canábis, alertou Gorelick.

“O consumo muito frequente também aumenta o risco de desenvolver psicose associada à canábis”, uma condição grave em que a pessoa perde o contacto com a realidade, acrescentou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights