Investigadores da Universidade de Évora querem “conhecer melhor os sintomas” da doença provocada pelo novo coronavírus

22 de Julho 2020

Investigadores da Universidade de Évora (UÉ) estão a estudar os sintomas da covid-19, como eventuais dificuldades dos doentes em sentirem gostos e cheiros, através de um inquérito a pacientes recuperados, divulgou hoje a academia.

O trabalho é desenvolvido por Alessandra Machado, da Universidade Vila Velha (Brasil) e atualmente em pós-doutoramento em Évora, em colaboração com Elsa Lamy, Fernando Capela e Silva e Cristina Pinheiro, do MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da UÉ.

Segundo a academia alentejana, os investigadores querem “conhecer melhor os sintomas” da doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, nomeadamente “alterações na perceção sensorial e na capacidade de deglutição e ingestão” dos pacientes.

O estudo está a ser realizado através de um inquérito na Internet, disponibilizado no endereço pt.surveymonkey.com/r/8MMX77X, o qual deverá ser respondido por adultos, residentes em Portugal, que tenham recuperado da covid-19.

“Para além dos seus mais diversos sintomas considerados característicos, como febre, tosse, dor no corpo, cansaço, dor de cabeça e tantos outros”, o inquérito inclui perguntas sobre “possíveis sinais e sintomas relacionados com a alimentação, designadamente dificuldades em sentir gostos e cheiros, engasgos e sensação de boca seca”, realçou a UÉ.

Portugal contabiliza pelo menos 1.702 mortos associados à covid-19 em 49.150 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights