Brigada reforça lar de Arcos de Valdevez que tem 12 funcionários infetados

10 de Novembro 2020

O Centro Paroquial e Social de S. Jorge (CPSSJ), em Arcos de Valdevez, com 10 utentes e 12 funcionários infetados com o novo coronavírus, foi reforçado com uma Brigada de Intervenção Rápida, disse esta terça-feira o diretor da instituição.

Contactado pela agência Lusa, Belmiro Amorim, diretor do CPSSJ daquele concelho do distrito de Viana do Castelo, adiantou que “os quatro elementos disponibilizados pela Segurança Social já estão a trabalhar na instituição”, onde estão ao serviço apenas nove dos 21 funcionários.

“Ainda não temos os recursos humanos suficientes para substituirmos os 12 funcionários infetados, mas estamos a tentar gerir da melhor maneira com a chegada dos elementos da Brigada de Intervenção Rápida da Segurança Social, uma enfermeira e três assistentes operacionais”, afirmou.

Belmiro Amorim adiantou que a instituição “também está a tentar contratar mais funcionários”.

“No mínimo, precisamos de 11 funcionários para substituir os que estão doentes e podermos constituir equipas de trabalho certas”, especificou.

“Tenho verdadeiros heróis à frente da instituição. Eu é que, por vezes, sinto desalento, mas eles são fortes e estão a dar-me muito ânimo e estão no terreno, a trabalhar. São impecáveis. São verdadeiros heróis”, reforçou, referindo-se aos trabalhadores da instituição.

O diretor do Centro Paroquial e Social de S. Jorge avançou que os 10 utentes infetados, num universo de 19, “não apresentam sintomas” da doença causada pelo SARS-CoV-2.

“Os utentes estão sem sintomas e estamos a gerir a situação conforme podemos e sabemos. Os idosos positivos estão instalados numa ala, e os negativos isolados noutra ala”, acrescentou.

A distribuição de todos os idosos por quartos separados foi possível graças ao facto de a instituição contar com uma ala nova que aguardava por alguns acabamentos para ser inaugurada.

Belmiro Amorim disse ainda que as instalações do lar vão ser hoje desinfetadas na sequência do surto de covid-19 que atinge a instituição desde o final do mês de outubro.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.255.803 mortos em mais de 50,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.959 pessoas dos 183.420 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights