Brasil supera 21,3 milhões de casos após somar 24.611 novas infeções

24 de Setembro 2021

O Brasil ultrapassou hoje a barreira de 21,3 milhões de casos de covid-19 (21.308.178), após ter contabilizado 24.611 novas infeções nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde brasileiro.

Face ao número de óbitos, o país sul-americano, um dos mais afetados em todo o mundo pela pandemia, registou 648 mortes entre quarta-feira e hoje, num total de 592.964 vidas perdidas devido à doença causada pelo novo coronavírus.

Segundo o último boletim epidemiológico divulgado pela tutela da Saúde, a taxa de incidência da covid-19 no Brasil é de 282 mortes e 10.140 casos por 100 mil habitantes.

São Paulo, o Estado mais rico e populoso do país, é, desde o início da pandemia, o foco interno da doença, concentrando 4.356.590 diagnósticos positivos e 148.688 óbitos.

A nível global, o Brasil, com 213 milhões de habitantes, é o segundo país com mais mortes em todo o mundo, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com mais casos, antecedido pelos Estados Unidos e pela Índia.

A última edição do Boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), maior centro de investigação médica da América Latina e vinculado ao Ministério da Saúde brasileiro, reforça a tendência de queda na ocupação de camas destinadas a pacientes com Covid-19 em Estados e municípios do país.

Os dados mostram que nenhuma das 27 unidades federativas do país está em situação crítica, ou seja, com taxa de ocupação superior a 80%.

Contudo, “ainda é necessária cautela, mantendo-se o uso de máscaras e algumas medidas de distanciamento físico, como também acelerar e ampliar a vacinação. Neste contexto, o passaporte vacinal é uma política de proteção coletiva e estímulo à vacinação”, salientaram os investigadores no boletim hoje divulgado.

O relatório destacou ainda o “aumento abrupto do número de casos de covid-19” notificados no sistema informático do Ministério da Saúde na semana passada, frisando que se tratou do “resultado da inclusão de registos que estavam retidos, o que afetou principalmente o Rio de Janeiro e São Paulo”.

Entretanto, apesar dos dados novos terem contribuído para o aumento da média nacional de casos, “não podem ser considerados como uma reversão de tendência de queda da pandemia”, ressalta o texto.

Os investigadores da Fiocruz chamaram a atenção para esse episódio, que “serve como alerta para questões importantes relacionadas ao fluxo de dados e suas consequências” para a tomada de decisões de políticas de saúde pública.

“O atraso na inclusão dos registos relacionados às semanas anteriores contribuiu para uma subestimação dos indicadores de transmissão da doença e de casos, principalmente nesses dois Estados, tendo como um dos resultados possíveis a implantação de medidas de flexibilização sem respaldo em dados”, alertaram os especialistas.

Os investigadores advertiram ainda que, após a fase aguda da pandemia, é preciso que o país se prepare para o combate à covid-19 a médio e longo prazo.

A covid-19 provocou pelo menos 4.715.909 mortes em todo o mundo, entre mais de 230 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights