Unicef preocupada com grande aumento de crianças que não sabem ler na América Latina

27 de Janeiro 2024

O responsável pela educação da Unicef para a América Latina e Caraíbas manifestou, esta sexta-feira, preocupação com o aumento de crianças menores de 10 anos que não sabem ler e escrever e apelou ao aumento do investimento.

Em entrevista à agência Efe, no âmbito da reunião de ministros da Educação da América Latina e das Caraíbas, que terminou esta sexta-feira com um apelo à ação, o responsável do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) garantiu que há números que sugerem que a percentagem aumentou de 50% antes da pandemia, para quase 80% atualmente.

“Há projeções que fizemos no ano passado com o Banco Mundial sobre 2022, onde poderíamos, nos piores casos, atingir 80% destas crianças de dez anos” que não sabem ler e escrever fluentemente, e que têm problemas na compreensão de textos mais complexos, alertou Italo Dutra.

“Um menino ou uma menina que não aprender a ler até aos dez anos terá sua vida académica impactada, a sua entrada no mundo do trabalho será impactada. Estamos num mundo onde temos cada vez mais informalidade laboral e que, claro, tem impactos gigantescos ao longo da vida e no rendimento económico da família”, acrescentou.

Italo Dutra defendeu a cooperação entre países – mas também entre governos e instituições como a Unicef – e no intercâmbio de soluções para uma crise que, na sua opinião, deve ser prioritária.

Este responsável da Unicef propôs também “foco na aprendizagem básica, para que as crianças possam continuar a aprender ao longo da vida” e uma reflexão sobre “quais as transformações são necessárias na educação do século XXI”, apontando para fatores como guerras, emergência climática e avanço de tecnologias como a Inteligência Artificial (IA).

“Temos muito interesse na cooperação internacional, aproximando os países e estando preparados para que quando os países precisarem possamos prestar-lhes assistência técnica, trazendo-lhes as experiências mais inovadoras, as experiências de outros países da América Latina e de outras regiões”, explicou.

O objetivo é “apoiá-los nas suas políticas para garantir o direito à educação de meninos e meninas” e convencer os governos de que é essencial “priorizar fundos e garantir mais eficiência nos gastos com educação”.

O especialista defendeu também recuperar algumas ferramentas que foram extremamente úteis durante a pandemia de covid-19, como o ensino à distância, e que foram gradualmente abandonadas para criar um modelo combinado em que os benefícios sejam mutuamente potenciados, que junta o formato presencial e à distância.

“Sempre, na história da educação, houve o desafio de incorporar tecnologias. Na educação demora muito mais tempo”, admitiu.

“Mas devemos entender que a escrita, a leitura e a matemática básica fornecem às crianças os instrumentos para compreender, decifrar e interpretar códigos que estão em diferentes coisas”, como a própria IA, que está a avançar a passos gigantescos, vincou.

Dutra alertou ainda que o maior impacto negativo durante a pandemia foi sofrido pelas famílias mais vulneráveis, não só em termos de aprendizagem, mas também na sua segurança alimentar, na sua saúde mental, e em outros aspetos importantes como o aumento da violência.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights