Cidadãos por Coimbra exigem “posição clara” do Governo sobre Hospital dos Covões

11 de Junho 2020

O movimento Cidadãos por Coimbra (CpC) reclamou hoje uma “posição clara” da ministra da Saúde, Marta Temido, sobre o futuro do Hospital dos Covões.

Em comunicado, o CpC “exige da ministra da Saúde uma tomada de posição clara sobre a não desqualificação das urgências do Hospital dos Covões e sobre o futuro” deste complexo de saúde de Coimbra, na margem esquerda do rio Mondego.

“Não é compreensível que um processo de decisão política desta importância para toda a região Centro continue a ser tratado como ‘questão técnica’”, critica o movimento, que está representado na Assembleia Municipal de Coimbra e em diversas freguesias do concelho, integrando cidadãos independentes e militantes do Bloco de Esquerda.

Na sua ótica, a resolução do problema não pode continuar “à mercê do presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e da presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro [Fernando Regateiro e Rosa Reis Marques, respetivamente], cujas parcialidade e incapacidade estão demonstradas”.

“A onda de indignação gerada pelo anúncio de desqualificação das urgências e a grande adesão da população à manifestação da passada terça-feira [com a participação de pelo menos 2.000 pessoas] recolocam a questão no nível governativo que sempre deveria ter tido e que o CpC sempre reclamou”, defende.

Apoiado no início, igualmente, por setores locais da área do PS, o movimento, que no anterior mandato autárquico, de 2013 a 2017, teve um lugar de vereador na Câmara de Coimbra, entende que o primeiro ministro, António Costa, e Marta Temido “devem falar agora ou ficarão para sempre responsáveis por, com o seu silêncio, serem coautores da aniquilação de um hospital do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Quase um quarto dos médicos do SNS aderiram à dedicação plena

Quase 2.900 médicos aderiram voluntariamente à dedicação plena desde que entrou em vigor há dois meses, representando cerca de 24% do universo de 12 mil especialistas que trabalham nos hospitais do SNS, segundo dados oficiais avançados hoje à Lusa.

Ana Paula Mendes sobre Centro de Informação do Medicamento: “Vamos este ano assinalar os 40 anos de existência”

Em ano de 40.º aniversário, o Centro de Informação do Medicamento da Ordem dos Farmacêuticos quer “perceber com os farmacêuticos como é que o CIM-OF os tem auxiliado e como é que pode contribuir futuramente para a sua atividade diária”, mas pensa assinalar esta data “envolvendo todo o público-alvo: farmacêuticos e cidadãos”, adiantou ao HealthNews a diretora, Ana Paula Mendes.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights