Precariedade habitacional, laboral e transportes na origem do aumento de casos em Loures

12 de Junho 2020

A precariedade habitacional, laboral e a necessidade de utilização de transportes públicos são as principais causas para o aumento das infeções no concelho de Loures, anunciou hoje a autarquia, indicando que se registam 500 casos ativos.

O município de Loures, no distrito de Lisboa, é um dos concelhos da região de Lisboa e Vale do Tejo que regista mais casos positivos da covid-19, com um total acumulado de 1.383 desde o início da pandemia.

No entanto, numa conferência de imprensa realizada ao final da manhã, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (CDU), ressalvou que desses casos mantêm-se ativos 33%, ou seja, cerca de 500.

O autarca explicou que existe uma equipa de trabalho, composta por elementos da Saúde Pública, Segurança Social e Câmara Municipal no terreno e que “todos os focos estão identificados”, assim como “as medidas necessárias para os controlar”.

Relativamente às razões para o aumento de casos, os responsáveis apontam para as situações de precariedade habitacional, social e a necessidade de utilização de transportes públicos.

“Estamos a falar de uma população ativa que trabalha. A subsistência acaba por ser mais forte do que o confinamento. Confirma-se que não estamos todos no mesmo barco e que as condições sociais são um fator agravante da covid-19”, apontou.

Neste momento, as freguesias mais afetadas no concelho são as uniões de freguesia de Camarate, Unhos e Apelação e a de Sacavém e Prior Velho.

Portugal regista hoje 1.505 mortes relacionadas com a covid-19, mais um do que na quinta-feira, e 36.180 infetados, mais 270, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights