BE exige esclarecimentos sobre envio de equipa alemã para o Hospital da Luz

3 de Fevereiro 2021

O BE questionou esta quarta-feira o Governo sobre o facto da equipa clínica alemã que chegou hoje a Portugal ir trabalhar no Hospital da Luz, considerando urgente esclarecer esta decisão e se esta unidade hospitalar fica sob gestão do SNS.

A equipa clínica alemã, formada por 26 profissionais de saúde, que chegou hoje a Portugal vai trabalhar no Hospital da Luz, em Lisboa, confirmou à Lusa fonte do ministério da Saúde ao final da manhã de hoje.

Numa pergunta enviada ao Ministério da Saúde e a que a agência Lusa teve acesso, o BE considerou que “esta é uma situação que precisa de ser urgentemente esclarecida”, referindo que “essa ajuda deveria servir para reforçar a capacidade de resposta do SNS e, através desse reforço aliviar a pressão”.

“A ministra da Saúde tem dito que o problema é a falta de profissionais e que se eles existissem seria possível expandir as repostas de internamento e de UCI [Unidade de Cuidados Intensivos]. Há hospitais do SNS que foram expandindo, ao longo da pandemia, os seus espaços de cuidados intensivos e que se tiverem reforço de profissionais podem maximizar as duas respostas. Mas, a decisão parece ter sido, afinal, colocar estes profissionais no hospital da Luz. Porquê? Este hospital e seus recursos foram requisitados e estão agora sob gestão do SNS?”, questionou o deputado Moisés Ferreira.

Assim, o BE pretende que o ministério liderado por Marta Temido esclareça “que hospitais públicos foram auscultados para a integração destes profissionais” e quais os hospitais do SNS “referem a necessidade de mais profissionais para aumentar a sua resposta em UCI”.

O número de camas que o Governo pretende abrir com a chegada desta equipa da Alemanha é outra das respostas que os bloquistas esperam obter.

“Foi estabelecido algum protocolo ou acordo com o hospital da Luz ou proceder-se-á à requisição dos recursos necessários, sob gestão do SNS, neste e noutros hospitais do setor privado e social, de forma a aumentar a capacidade de internamento no país?”, pergunta ainda.

O processo de auxílio alemão a Portugal arrancou em 25 de janeiro, na sequência de um pedido de ajuda da ministra da Saúde, Marta Temido, à ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer.

A notícia da vinda da equipa alemã para um hospital particular, o hospital da Luz, foi inicialmente avançada pelo jornal Expresso.

A equipa é constituída por 26 profissionais de saúde, entre os quais seis médicos, que trazem também 40 ventiladores móveis e 10 estacionários, 150 bombas de infusão e outras tantas camas hospitalares.

Em comunicado, o Hospital da Luz explicou hoje que em reposta ao apelo do Ministério da Saúde, “foi possível realocar doentes, recursos e adaptar espaços, em tempo recorde”, de forma a disponibilizar um núcleo de “mais oito camas de cuidados intensivos” que permitirá à equipa alemã trabalhar num espaço único, “proporcionando-lhes condições de maior eficiência no tratamento de doentes graves”, provenientes de hospitais públicos da região de Lisboa.

A equipa contará, segundo o Hospital da Luz, “permanentemente com o apoio de todos os recursos clínicos” daquela unidade, nomeadamente das especialidades médicas de apoio à UCI (unidade de cuidados intensivos), patologia clínica, exames de imagiologia, bem com a garantia das cadeias de abastecimento de consumos clínicos e fármacos.

As camas agora disponibilizadas vão reforçar a capacidade de resposta para tratamento de doentes Covid no Hospital da Luz Lisboa, totalizando atualmente 106 camas, das quais 25 destinadas a cuidados intensivos, pode ler-se no comunicado.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights