Parlamento debate hoje Programa de Estabilidade

20 de Abril 2022

A Assembleia da República debate hoje o Programa de Estabilidade (PE) 2022-2026 e as recomendações do PSD, do PCP, do Bloco de Esquerda, do Chega e da Iniciativa Liberal (IL).

O início da sessão plenária está previsto para as 15:00, com a abertura de seis minutos a cargo do Governo, assim como o encerramento.

No PE 2022-2026, divulgado em 28 de março, o Governo previa que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 5% este ano, fixando-se 0,8% acima do nível pré-pandemia, e suba 3,3% em 2023, impulsionado pelo Programa de Recuperação e Resiliência (PRR).

No entanto, o cenário foi revisto na proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), entregue em 13 de abril, com o Governo a projetar uma expansão de 4,9% este ano.

O PE antecipa ainda que o défice orçamental caia dos 2,8% do PIB registado em 2021 para 1,9% do PIB este ano, recuando para 0,7% do PIB em 2023 e para 0,3% do PIB em 2024.

Aquando da divulgação do documento, o Conselho das Finanças Públicas (CFP) anunciou não ter “condições” para apreciar o cenário macroeconómico subjacente ao PE, considerando que não é “uma previsão por não incorporar as medidas de política a adotar”.

O parlamento debate também hoje as recomendações apresentadas pelos partidos políticos no âmbito do documento.

O PSD recomendou ao Governo que apresente “um verdadeiro Programa de Estabilidade” ao parlamento em vez de apenas “um documento técnico”, que considera ser omisso em matérias de política económica e orçamental.

Já o Chega considera que o PE “está totalmente desatualizado e não responde à realidade macroeconómica do país”.

A IL defende um novo modelo de crescimento, tendo como base um choque competitivo na política fiscal, enquanto o PCP defende que o PE “não é mais do que um exercício para cumprir calendário e agradar a Bruxelas”, propondo níveis de investimento público acima dos 5% do PIB.

Por sua vez, o Bloco de Esquerda quer que o executivo tenha como objetivo um défice para 2022 de 3,2%, “priorizando a proteção do poder de compra das famílias e o investimento nos serviços públicos essenciais para responder ao ciclo de inflação previsto para 2022”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

José Albino é novamente presidente da Respira

Os associados da Respira – Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas elegeram, no passado dia 6 de junho, a nova direção para o quadriénio 2024-2027. José Albino e Paula Duarte iniciam agora o mandato na qualidade de presidente e vice-presidente, respetivamente.

Dermatite atópica: Novos dados sobre upadacitinib

A AbbVie anuncia os resultados do LEVEL UP, um estudo de Fase 3b/4, aberto (mas com ocultação para o avaliador) e comparativo que avaliou a eficácia e a segurança de upadacitinib (com dose inicial de 15 mg uma vez por dia e ajuste da dose com base na resposta clínica) comparativamente a dupilumab (na dose aprovada) em adultos e adolescentes (com idade ≥ 12 anos) com dermatite atópica (DA) moderada a grave que tiveram uma resposta inadequada à terapêutica sistémica ou quando a utilização desse tipo de terapêuticas era desaconselhada.

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights