Médico infetado morre no Hospital São José em Lisboa

19 de Junho 2020

Um médico que estava infetado pelo novo coronavírus morreu na quinta-feira na unidade de cuidados intensivos do Hospital de São José, em Lisboa, confirmou hoje à agência Lusa o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

“Confirmo a informação do falecimento de um médico, nos cuidados intensivos do Hospital de São José, ao qual endereço à família os pêsames”, disse Jorge Roque da Cunha.

Este é o primeiro caso conhecido da morte de um médico por covid-19 desde o início do surto em Portugal.

A notícia foi avançada durante a noite de quinta-feira pelo jornal Público, que também dá conta de que o médico que morreu terá sido infetado por um colega e que este é o primeiro caso de uma morte associada ao SARS-CoV-2 neste grupo profissional.

O diário acrescenta que o médico tinha 68 anos, “estava internado há mais de 40 dias”, era especializado em medicina geral e familiar e colaborava com a equipa de gastroenterologia do Hospital Curry Cabral, que, assim como o São José, pertence ao Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC).

O Público refere ainda que este profissional de saúde “não teria fatores de risco associados”.

O secretário-geral do SIM reiterou à Lusa a “necessidade de um grande cuidado pela parte dos profissionais de saúde e das pessoas, no sentido de não baixar a guarda em relação às medidas de proteção”, para mitigar a propagação da pandemia.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 450 mil mortos e infetou mais de 8,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.524 pessoas das 38.089 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights