Pelo menos 186 jornalistas morreram em 35 países devido à Covid-19

2 de Julho 2020

Pelo menos 186 jornalistas morreram em 35 países nos últimos quatro meses devido à Covid-19, muitos depois de cobrirem notícias relacionadas com a pandemia, informou na quarta-feira a organização não-governamental (ONG) Emblem Press Campaign (PEC).

A organização, que recolhe regularmente dados sobre ameaças e ataques à profissão, contabilizou as mortes ocorridas entre 1 de março e 30 de junho, frisando que “o número de mortes reais é provavelmente muito superior”, já que “os jornalistas mortos durante este período não foram testados ou a sua morte não foi anunciada publicamente”, pode ler-se no comunicado da PEC.

A América Latina contabiliza metade das mortes de jornalistas no exercício da profissão (93), seguida da Ásia (34 mortes), Europa (26), África (19) e América do Norte (14).

O Peru é o país com o maior número de mortes confirmadas (37). Segue-se o Brasil, com 16 jornalistas mortos, México, com 14, Estados Unidos, com 13, e o Equador, com 12, de acordo com os dados da ONG.

Na Europa, o Reino Unido é o país com mais vítimas (sete jornalistas), seguido pela Rússia (cinco) e França (quatro). Espanha e Itália contabilizaram três jornalistas falecidos devido à Covid-19.

A organização apontou ainda que 33 jornalistas foram mortos em 18 países no primeiro semestre deste ano, um número ligeiramente inferior ao do ano passado (38 no mesmo período em 2019).

O México “continua a ser o país mais perigoso” para a profissão, indicou a organização, por ser ali que ocorrem as mortes mais violentas de repórteres.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights